Subscribe to newsletter

Subscribe to the newsletter and you will know about latest events and activities. Podpisyvayse and you will not regret.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

Um dos maiores danos que se pode causar a uma criança é levá – la a perder a confiança na sua própria capacidade de pensar. Emília Ferreiro.

O processo de construção da escrita acontece através da leitura de mundo que é oportunizada a criança, ou seja esse momento que envolve a alfabetização não depende apenas do ambiente escolar e não é de responsabilidade apenas do educador, pois a família que oferece diversos gêneros textuais, apresenta interesse pela leitura e ao se deparar com os espaços sociais informa a criança sobre o que está visualizando, desta forma a mesma também está contribuindo com este processo que envolve a alfabetização. Como por exemplo: explicar sobre o significado das placas de trânsito, ler os outdoors, ler as placas de comércios, etc…

Emília Ferreiro defende que a aprendizagem da língua escrita requer um esforço cognitivo que se processa a partir de problemas essencialmente conceituais enfrentados pela criança. Sendo que, tradicionalmente os educadores consideram que a alfabetização depende única e exclusivamente do amadurecimento de certas habilidades motoras, perceptivas e discriminatórias. A possibilidade de escrever está vinculada ao exercício mecânico de desenhar ou reproduzir graficamente as letras. Tal distinção é fundamental, pois quando a escrita deixa de ser compreendida como uma simples transição gráfica e passa a ser concebida como um sistema de representação da linguagem, a alfabetização assume o caráter de aprendizagem conceitual e não apenas técnica, sendo uma efetiva conquista de saber.

Ao oferecer esses estímulos está propiciando um alicerce estruturado para o educador oferecer conceitos e informações que consequentemente de maneira gradativa a criança terá subsídios para construir a cada dia suas hipóteses sobre o sistema da escrita e tornar – se alfabética.

E após esse momento surge outra etapa que é o processo que envolve o letramento, a elaboração das construções textuais condizentes com seu contexto de realidade social, cultural e emocional, conforme sua faixa etária.

Segundo Paulo Freire… Não basta saber ler que: Eva viu a uva. É preciso compreender a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho…

Ou seja, a criança, além de conseguir transferir o seu pensamento para o papel é necessário estabelecer interpretação e uma função social a este registro, e o educador precisa entender como a criança percorre esse processo para poder intervir enquanto mediador de aprendizagem.

Considero de suma importância que todos educadores estabeleçam uma rotina de estudo, pesquisa, envolvendo uma visão política, cultural e de prática educacional de qualidade, pois esta situação cabe à todos nós que acreditamos na educação. A iniciativa gera mudanças, com isso não podemos apenas aguardar que o sistema mude, lamentar, sermos céticos, racionais e radicais. Precisamos fazer a nossa parte, resgatar a afetividade, o olhar individualizado, o prazer em aprender e acreditar que nós educadores somos capazes de fazer o melhor.

Espero ter colaborado com a sua prática pedagógica e estou à disposição para maiores esclarecimentos. Consult – Consultoria Psicopedagógica Daniela Trigo.

Referências bibliográficas

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2008.

FERREIRO, Emilia. Alfabetização em processo. (Trad.) de Sara Cunha Lima e Marisa do Nascimento Paro. 15. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

FREIRE, Paulo. Alfabetização – leitura do mundo, leitura da palavra. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

Post Author
Daniela Trigo

Comments

2 Comments
  1. posted by
    Maria Silva de Jesus
    out 25, 2016 Reply

    Amei as informações

    • posted by
      admin
      out 29, 2016 Reply

      Obrigada! Beijocas.

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *